sábado, 2 de janeiro de 2010

Dia 02 - Sobre o "par perfeito"

Que a vida a dois não é fácil, isso não é novidade. Mas ainda que não seja novidade, acredito que algumas pessoas subestimam essa preciosa informação.
Gente, atenção, o amor não basta.
Não basta o amor, não basta o tesão, não basta a festa de casamento linda e maravilhosa, é preciso uma pitada a mais. Uma pitada - generosa - de afinidades.
Sim, afinidade, aquilo que liga você a seus amigos, é o igrediente secreto e necessário para você não ver o amor morrer na beira, de sede, cansaço, e desgosto.
Explico.
Quando a gente namora, e namora há um tempo, percebe os "defeitos", ou melhor dizer, as diferenças entre você e o ser amado. Na maioria das vezes essas diferenças podem ser facilmente empurradas com a barriga, escondidas embaixo do tapete,ou esquecidas depois de uma tórrida noite de sexo selvagem, e você, acredita piamente que dá pra conviver com isso pro resto da vida porque ele é o seu amor lindo e você está apaixonada.
Pois é...pode até ser realmente possível, mas aqui vai um aviso. Se esses defeitos são relacionados com a educação (valores) do seu benzinho prepare-se pois depois que vierem os filhos, o seu castelo vai começar a desmoronar.
Conheço um casal, jovem, eles tem muitas coisas em comum, mas tem diferenças gritantes que dizem respeito a sua criação. Possuem 2 filhotes na faixa de 4 anos e é triste ver a confusão que é quando um quer ensinar uma coisa para o filho e o outro não concorda. Ficam de cara feia um pro outro, o passeio fica tenso, e os meninos ficam perdidos.
Ele tem mania de limpeza, ela é despojada. Ele quer lavar os pés dos meninos o tempo todo, não deixa pisar no chão, anda com um kit de limpeza no carro. Ela quer que os meninos brinquem, se lambuzem, se divirtam de qualquer jeito e quando chegar em casa tomam banho - lavou tá novo. Ele acha que até chegar em casa os micróbios já contaminaram os pequenos e além do mais, ele diz, é preciso ensina-los a manterem os sapatos limpos, os pés limpos, o corpo limpo.
Não há tesão que resista a isso.
Por isso eu penso, é imperioso catalogar os defeitos do moço ao seu lado. Até que ponto fazer xixi fora do vaso, vai causar estresse depois que a convivência for além dos finais de semana?! Até que ponto, certos hábitos vão se transformar em conflito na hora de educar os filhos?!
Não adianta ser lindo, sarado, bom de cama, e te amar...É preciso ter afinidades, e isso não se limita a seu gosto musical, vai além. É preciso ter afinidades no quesito valores, educação, visão de mundo.
Não adianta o cara ser o Mc Dreamy se ele for o seu oposto. Claro que vocês podem ter gostos diferentes...mas valores diferentes, realmente é sinal vermelho, alerta, cuidado, aviso de turbulência futura.

3 comentários:

Adrina disse...

Carol, depois de 9 anos de convivência, e 5 de casamento, o que posso dizer por experiência própria é que a gente não deve se casar com alguém de quem não seríamos amigos. O parceiro tem que ser nosso melhor amigo, porque só um grande amigo é capaz de suportar contigo a convivência diária, que não é nada fácil. Beijo!

Bia Porfírio Estrela ☆ disse...

Eu concordo, a relação não sobrevive só de amor, aliás, nenhuma! Confiança, cumplicidade e respeito são funda, fundamentais!
Divergência na educação é trash, além das brigas conjugais os filhos sofrem, pq ficam mui mal educados!

Nanda disse...

ah, falou tudo. eu sou muito diferente do meu noivo - porém temos os mesmos valores e queremos as mesmas coisas. sem isso, não há amor que dure.