domingo, 30 de janeiro de 2011

Sobre pessoas



Se há uma coisa que chama minha atenção, que me faz pensar e que me delicia são os encontros que existem nessa vida, é o que as pessoas trazem e o que levam, o que deixam em nós, sua atuação em nossas vidas, seu papel, sua razão de estar ali.

A vida é uma ciranda, um carrossel, de repente se tem fulano, sicrano, beltrano do lado, de repente a roda girou e eles se foram, novos personagens apareceram e todos, sempre, são, simultaneamente, atores e expectadores desse filme particular chamado vida (cada um com a sua).
As pessoas me intrigam, chamam minha atenção. Vejo cada uma como um campo de estudo, um mapa a ser desvendado, um poço cheio de mistérios e revelações a espera. Perceber quais são seus reais valores e quais são os valores apenas propagados mas não, de fato, vividos. Algumas pessoas me alegram profundamente, outras me desgastam, me irritam.
E apesar de alguns encontros, independente do quanto durem, serem extremamente negativos, se eu parar para pensar friamente, chego a conclusão que nunca ninguem me decepcionou. As pessoas não me decepcionam, muitas vezes sou eu quem não consigo compactuar com suas fraquezas vis e não fui suficientemente atenta para capta-las a tempo de não lhe dar uma certa porção de confiança, amizade. Penso que qualquer tipo de excesso seja de soberba, maldade, auto confiança, convicção, é pura fraqueza e eu escolho tirar essas pecinhas humanas da minha história.
Contudo, há sempre os que me trazem alegria, que são capazes de despertar em mim o orgulho pela espécie, que são companheiros, parceiros, que me ensinam e aprendem, que me fazem sorrir.
O ser humano é fantástico e eu o adoro cada dia mais, ainda que nem todos sejam objeto da minha admiração apaixonada mas sim se tornem alvo dos meus sentimentos mais pobres (pena, raiva, etc).
Se fosse um ET largaria meu planeta de origem e viveria por aqui, rindo das atuações, ficando feliz pelas sinceridades mentirosas que não se sustentam por muito tempo. Adorando perceber que, ainda que não acredite muito no ser humano, ele ainda me é muito apreciável.
Nessa linha de pensamento a toa, acabo por gostar de relembrar os antigos coadjuvantes do meu filme, ver semelhanças entre alguns, observar os comentários dos novos sobre os antigos, aprender sempre com todos. Sentir saudades daqueles me trazem preciosidades: análises, novos sabores, experiencias, um conhecimento.
Há também os que nunca se vão e, como em um ensaio a 4 mãos, vão nos ajudando a escrever as páginas em branco. Esses são tatuagens na pele, não se apagam, e ainda que há milhares de kilometros (ou de anos) de distancia, ali permanecem, a cor dessa tatoo na pele e no coração talvez não seja mais tão viva, mas sua presença é indubitável.
Taí um post que surgiu assim do nada, andando na rua, com sol rachando e eu pensando nas pessoas tão especiais (e atuais) da minha vida e que não vejo há alguns dias (porque viajei e elas também); surgiu, também, da lembrança de que hoje é o aniversário de um amigo distante, que ficou lá atrás no tempo e no espaço. 40 anos, puts! Será que é ainda o mesmo!?
Ah as pessoas...Nunca nos decepcionam, nem nos surpreendem...no fundo apenas se revelam sendo o que no fundo sempre foram.
Se mudar é possível?? Ah, não sei. Possível é crescer, amadurecer, aprender...e a partir daí ser um novo. A essência sempre será a essência, às vezes um pouco melhorada, outras vezes rasa e não compatível com o que deveria ser.
Pessoas: encantos e desencantos nos encontros e desencontros sempre interessantes da vida.

9 comentários:

Priih disse...

Weee, a Carol voltou! E com os seus posts com textos inspiradores e cheios de vida!
Pelo que vi no seu post anterior a Srta. se divertiu bastante não é mesmo? Fico feliz ^^

Se tem uma coisa que me irrita às vezes é o fato de eu me apegar muito fácil à certas pessoas, e acabar confiando cegamente nelas. E por fim, na grande maioria das vezes... me ferrando.
Mas não há como negar a sensação de nos encontrarmos com as pessoas que gostamos, jogar conversa à fora, trocar afetos e desilusões.
Imagina um encontro nosso!? (:

"As pessoas...Nunca nos decepcionam, nem nos surpreendem...no fundo apenas se revelam sendo o que no fundo sempre foram."
Nunca tinha pensado nisso até o momento de ler o que você escreveu. Faz tanto sentido...

Beijos e boa semana!

Amanda Carvalho disse...

Oi Carol, tudo bem?
Amei o texto, "Ah as pessoas...Nunca nos decepcionam, nem nos surpreendem...no fundo apenas se revelam sendo o que no fundo sempre foram." Muitoo bom (:
Beijos, boa semana p vc!

Endry disse...

Algo que eu sempre penso e acredito, quase que como um mantra: "nunca subestime as pessoas" e "pessoas são estranhas", haha :)
Mas é sério, somos muitas vezes surpreendidas com pessoas, pois elas são subestimadas por nós, tanto positiva quanto negativamente.
Ótimo post! beijinhos :*

Alice Voll disse...

Desculpa o palavrão, mas CARALHO, que post maravilhoso, em muito, quase tudo, parece comigo, mas os dois 10s parágrafos nossa!
eu amo gente, por isso escolhi psico, às vezes me decepciono sim, e isso pra mim é a pior parte, pq se sinto raiva ela passa, mas se me decepciono, shi!
olha post perfeito! aházou!

Lucimere disse...

Tenho de concordar com tudo que vc disse...:

"A convivência mostra tudo".


bjoss

Cih_colorex disse...

Eu amo blogs porque tem pessoas por trás deles. =)
Kiss

Lu Barreto disse...

Oi, Carol. Muito obrigada pelo comentário, pelo carinho e pela força. Graças a Deus estou bem melhor e tocando a vida. Um grande beijo no seu coração.

subindonosalto.com disse...

Caroooooooool!
Que saudade eu estava de você por aqui e dos seus posts. Já chegou arrasando, né? Agora me diz onde eu assino, pq tenho que assinar embaixo desse seu post, fia! AUHAUHAUHAUHAU

:*

@viihrs
@SubindoNoSalto
http://subindonosalto.com

Micha Descontrolada disse...

q post perfeito.
se eu fosse um et, tb viveria de espreita por aqui.
sou como vc, umas pessoas me envergonham de pertencer a mesma especia, mas tem tantas outras
q me enchem de orgulho.

/(,")\\
./_\\. Beijossssssssss
_| |_................