sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Friday, i´m in love.

.
Acordei às 5h da manhã, coloquei a legging, o tênis, a camiseta. Prendi o cabelo e enchi de tique-taque já que esse meu novo corte de cabelo não é pra quem corre. Lavei o rosto, escovei os dentes, me encarei no espelho do banheiro. Sentei no tampo do vaso e fique por alguns minutos olhando para os pés. O corpo não estava reagindo a ordem cerebral: go, go! Descalcei o tênis, e me enfiei debaixo do cobertor.

É sexta-feira e eu estou um caco.

Não, não é uma reclamação mas sim pura constatação. Um olhar sincero sobre meu estado físico. Nem estou com sono. Aliás aproveitei para checar emails, colocar umas roupas no cabide, passar o olho em alguns pontos da minha matéria do concurso. Não é preguiça. É puro e genuino cansaço.

Embora estivesse bem desperta nada me encorajou a caminhar até a academia, alongar, correr, carregar 40 kilos sentindo toda a musculatura se contrair. Nem voltar a entrar (com folga) naquela skinny 38 me animou. Nem os 3 quilos perdidos em 15 dias. Nem o treinador maravilhoso que desperta as borboletas no estomago às 6h da manhã. Nada.

Ontem tive um dia cão no trabalho e descobri que estressada e prestes a arrancar todos os fios escovados da minha cabeça, mantenho o mesmo tom de voz, a mesma expressão tranquila, e a serenidade de quando estou sem estresse algum. Achei legal. E até sorri. O melhor de tudo? Super genuino.

Trabalhei de 8h30 até às 21h, com uma pausa de meia hora para o almoço. E fiz porque queria fazer, porque era preciso, porque eu gosto muito. Do escritorio corri para a Pós. Estava cansada já, mas estava feliz. Ajeitei a gravata do mocinho que faz questão de enroscar os dedos nos meus dedos e de me deixar na saia justa me paquerando descaradamente,mesmo eu estando com o cabelo desgranhado, e a maquiagem meio vencida. Magnetismo pessoal é meu segundo nome. Ah, modéstia é o primeiro.

Voltei pra casa às 23h. Sento na cama da minha mãe e logo minha micro familia está reunida. Cházinho pra todos. Risos, relatos do dia, um carinhosinho. Quase 1 hora depois, saio me arrastando pro meu quarto, leio uns emails, tento escrever um post e quando dou por mim estou cochilando em cima do notebook (literalmente). Durmo.

Estou cansada sim. Cansada. Sem sono, mas cansada. E só agora entendo o que é gostar do que se faz: é estar no limite físico mas com tesão tão grande que esse desgaste fica imperceptivel. A motivação te empurra. Você toma um banho e tá novo. Tô com tesão pelo meu trabalho. Uma paixão. Pensei que só sentisse isso pelo moçoilos, mas pasmem! É possivel ganhar dinheiro fazendo aquilo que você ama, seja lá o que for e sem se preocupar se ele vai te ligar no dia seguinte.

E quanto ao treinador que me encanta e o moço da Pós que eu deixo encantado. Bem, são a cereja do bolo porque se a realização profissional te massageia o ego, ela não te faz cafuné, não te beija na boca e nem te ama no chão (Wando feelings). Nessa minha vida de solteira convicta e workaholic não há espaço pra romances cinematográficos, mas encontros felizes acontecem todos os dias. Talvez um dia eu morda a lingua e tenha um relacionamento monogamico e feliz. No momento não sou de niguem, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também. E enquanto não entro para o clube dos corações ocupados vou continuando meu caso de amor ardente com o trabalho e a penca de processos que tenho que supervisionar.

Estou cansada e o relógio me olha. E uma força parecida com aquela que temos quando estamos apaixonados e absolutamente nada nos cansa, me move para o chuveiro.

Água morninha, café da manhã todo pautado nas dicas do nutricionista, roupa alinhada, maquiagem, e um saltão que vai me aguentar pelas proximas 10 / 12 horas. No coração a vontade de fazer o melhor, bem feito.

O cansaço? Já se foi. Era só enquanto eu não começava, de fato, o dia. A academia? A noite eu passo lá. O treinador que acelera meus batimentos vai me dar aula e é um bom jeito de começar o final de semana toda na vibe to te querendo como ninguem, to te querendo como Deus quiser...

Lá tô eu, sempre em meio das paixões, quer se materializem na responsabilidade e nos papéis que me tomam toda a atenção do dia, e no grupo de pessoas que com cumplicidade fazem as coisas funcionarem, quer se manifestem no par de braços, músculos e sorriso que atravessam meu caminho, me joga na parede e me chama de lagartixa. =D

É sexta, e eu estou apaixonada!

2 comentários:

Karine disse...

Eita, coisa linda!
Me abre, me fecha, me chama de gaveta!
Beijos, lindona destruidora de corações!

Jaque ઇ‍ઉ disse...

Bom dia Carolzinha!
Hoje eu acordei animada e cheia de energia rs

O sol ficou por aqui a semana inteira e isso anima qualquer um! Também me senti bem cansada essa semana, na terça feira já. Mas é exatamente o que você falou, fazer o que gostamos é bom demais e o cansaço é apenas um detalhe.

Encontrar uns paqueras durante o dia é bom sim! Sentir-se desejada massageia o ego e faz bem.

Sair trabalhar com ânimo e segurança em um saltão é o que há #adorooo

Lindo fim de semana querida!
Beijos