terça-feira, 17 de maio de 2011

Mudar


Talvez o titulo mais apropriado para esse post fossem "mudança", mas assim no infinitivo, o verbo sugere um movimento, uma ação constante em minha vida nos ultimos 6 meses.
Dizem que estamos mudando constantemente, e se eu olhar pra trás vejo esse fenomeno operando em mim há mais ou menos 2 anos, porém nos ultimos meses isso tem se dado com maior intensidade. E agora, realmente, mudei.
Semana passada mudei de apartamento, de endereço, de bairro, de rua, de vizinhança.
E essa mudança representou mais que uma simples alteração de residencia, mas sim, uma reciclagem, uma renovação do ritmo de vida.
Mudei. E essa foi a quinta mudança de lar-doce-lar da minha vida adulta. Todas desgastantes, todas trabalhosas, todas me deixam com dor no corpo, cansada, estafada, todas bagunçam minha vida, todas sugerem um  novo ciclo.
Apesar de toda a burocracia e trabalho braçal, essa mudança em si me deixou feliz. Depois de 50 horas seguidas arrumando o novo apartamento, pude deitar em minha cama e sentir o gostinho de vida nova. Sentir que agora sim, um nova vida, uma página em branco estaria ali, novinha, para ser escrita.
Contratos, milhares de idas ao cartório, chaveiro, imobiliárias, vistorias minunciosas, IPTUS, contas e contas, transporte de carga, caixas e caixas, metros de fita adesiva, dedos cortados, unhas quebradas, declarações, seguro pra cá, móveis novos pra lá, eletrodomésticos, vaso quebrado, onde colocar os quadros, limites fisicos sendo superados...e ao lado de tudo isso, uma vida nova...um novo ambiente, novos vizinhos, nova rotina, nova academia, novo supermercado, um novo trajeto, novos caminhos, uma janela nova para uma nova paisagem, uma montanha ao fundo. Nada para recordar, essas paredes ainda não testemunharam nada, novo cenário, novo ar. Não há aqui nada que me lembre nada, nem o passado feliz, nem o momento de decepção, nem doenças, nem perdas, nem noites sem dormir com o coração aos solavancos.
Aqui tudo é paz, é harmonia, cheirinho de bolo de laranja saindo do forno novo. Paredes pintadas de amarelo clarinho, uma montanha ao longe coberta pela nevoa que indica o inverno chegando. Tudo organizado, nada amontoado apesar de ainda haver caixas a serem desfeitas.
Agora sim, mudei.
Mudei de endereço, de astral, de alma e apesar de todo cansaço e das dores latejantes nos calcanhares me sinto feliz, e não só porque estou no meu apartamento novo. Me sinto mais feliz porque finalmente agora o passado é passado. Eu cresci. Novas coisas virão. Novos amores, novos trabalhos, novos desafios, novas aventuras. Não tenho mais medo nenhum do novo, porque o novo é agora e não é mais nenhum desconhecido pra mim.
Um ciclo se fechou e outro começa agora..."o futuro já começou"
E é com esse gostinho de primeiro dia do ano que escrevo esse post.

2 comentários:

Karine disse...

eita, coisa boa!
Desejo a você que sua porta se abre para coisas muito boas, muito legais! Que sua casa nova abrigue as gargalhadas mais sinceras, os amores mais desejados, as lágrimas de alegria. QWue suas paredes sejam testemunhas de vitórias dos novos desafios!!!
Beijocas, Carol.

Lulu on the Sky® disse...

Boa sorte na nova casinha. Que seja uma vida com muita luz e prosperidade.
Big Beijos